Salmos 36
ARA

Salmos 36

36
Malícia humana e benignidade divina
Ao mestre de canto. De Davi, servo do Senhor
1Há no coração do ímpio
a voz da transgressão;
não há temor de Deus#Rm 3.18
diante de seus olhos.
2Porque a transgressão o lisonjeia a seus olhos
e lhe diz que a sua iniquidade não há de ser descoberta, nem detestada.
3As palavras de sua boca são malícia e dolo;
abjurou o discernimento e a prática do bem.
4No seu leito, maquina a perversidade,
detém-se em caminho que não é bom,
não se despega do mal.
5A tua benignidade, Senhor, chega até aos céus,
até às nuvens, a tua fidelidade.
6A tua justiça é como as montanhas de Deus;
os teus juízos, como um abismo profundo.
Tu, Senhor, preservas os homens e os animais.
7Como é preciosa, ó Deus, a tua benignidade!
Por isso, os filhos dos homens
se acolhem à sombra das tuas asas.
8Fartam-se da abundância da tua casa,
e na torrente das tuas delícias lhes dás de beber.
9Pois em ti está o manancial da vida;
na tua luz, vemos a luz.
10Continua a tua benignidade aos que te conhecem,
e a tua justiça, aos retos de coração.
11Não me calque o pé da insolência,
nem me repila a mão dos ímpios.
12Tombaram os obreiros da iniquidade;
estão derruídos e já não podem levantar-se.

A Sociedade Bíblica do Brasil trabalha para que a Bíblia esteja, efetivamente, ao alcance de todos e seja lida por todos. A SBB é uma entidade sem fins lucrativos, dedicada a disseminar a Bíblia e, por meio dela, promover o desenvolvimento integral do ser humano. Você também pode apoiar a Causa da Bíblia! ARA © 1993 Sociedade Bíblica do Brasil. Todos os direitos reservados.


Learn More About Almeida Revista e Atualizada

Encouraging and challenging you to seek intimacy with God every day.


YouVersion uses cookies to personalize your experience. By using our website, you accept our use of cookies as described in our Privacy Policy.