Parallel
16
1Então Jó respondeu:
2“Já ouvi muitas palavras como essas.
Pobres consoladores são vocês todos!
3Esses discursos inúteis
nunca terminarão?
E você, o que o leva a continuar
discutindo?
4Bem que eu poderia falar
como vocês,
se estivessem em meu lugar;
eu poderia condená-los
com belos discursos
e menear a cabeça contra vocês.
5Mas a minha boca
procuraria encorajá-los;
a consolação dos meus lábios
daria alívio para vocês.
6“Contudo, se falo,
a minha dor não se alivia;
se me calo, ela não desaparece.
7Sem dúvida, ó Deus,
tu me esgotaste as forças;
deste fim a toda a minha família.
8Tu me deixaste deprimido,
o que é uma testemunha disso;
a minha magreza se levanta
e depõe contra mim.
9Deus, em sua ira, ataca-me
e faz-me em pedaços
e range os dentes contra mim;
meus inimigos fitam-me
com olhar ferino.
10Os homens abrem sua boca
contra mim,
esmurram meu rosto com zombaria
e se unem contra mim.
11Deus fez-me cair
nas mãos dos ímpios
e atirou-me nas garras dos maus.
12Eu estava tranquilo,
mas ele me arrebentou;
agarrou-me pelo pescoço
e esmagou-me.
Fez de mim o seu alvo;
13seus flecheiros me cercam.
Ele traspassou sem dó os meus rins
e derramou na terra a minha bílis.
14Lança-se sobre mim uma e outra vez;
ataca-me como um guerreiro.
15“Costurei veste de lamento
sobre a minha pele
e enterrei a minha testa no pó.
16Meu rosto está rubro
de tanto eu chorar,
e sombras densas
circundam os meus olhos,
17apesar de não haver violência
em minhas mãos
e de ser pura a minha oração.
18“Ó terra, não cubra o meu sangue!
Não haja lugar de repouso
para o meu clamor!
19Saibam que agora mesmo
a minha testemunha está nos céus;
nas alturas está o meu advogado.
20O meu intercessor é meu amigo,#16.20 Ou Meus amigos zombam de mim,
quando diante de Deus
correm lágrimas dos meus olhos;
21ele defende a causa do homem
perante Deus,
como quem defende
a causa de um amigo.
22“Pois mais alguns anos apenas,
e farei a viagem sem retorno.