Parallel
14
1O Senhor terá compaixão de Jacó;
tornará a escolher Israel
e os estabelecerá em sua própria terra.
Os estrangeiros se juntarão a eles
e farão parte da descendência de Jacó.
2Povos os apanharão e os levarão
ao seu próprio lugar.
E a descendência de Israel
possuirá os povos
como servos e servas
na terra do Senhor.
Farão prisioneiros os seus captores
e dominarão sobre os seus opressores.
3No dia em que o Senhor der descanso do sofrimento, da perturbação e da cruel escravidão que sobre você foi imposta, 4você zombará assim do rei da Babilônia:
Como chegou ao fim o opressor!
Sua arrogância#14.4 Conforme os manuscritos do mar Morto, a Septuaginta e a Versão Siríaca. acabou-se!
5O Senhor quebrou a vara dos ímpios,
o cetro dos governantes
6que irados feriram os povos
com golpes incessantes
e enfurecidos subjugaram as nações
com perseguição implacável.
7Toda a terra descansa tranquila,
todos irrompem em gritos de alegria.
8Até os pinheiros e os cedros do Líbano
alegram-se por sua causa e dizem:
“Agora que você foi derrubado,
nenhum lenhador vem derrubar-nos!”
9Nas profundezas
o Sheol#14.9 Essa palavra pode ser traduzida por sepultura, profundezas, ou morte; também no versículo 15 está todo agitado
para recebê-lo quando chegar.
Por sua causa ele desperta
os espíritos dos mortos,
todos os governantes da terra.
Ele os faz levantar-se dos seus tronos,
todos os reis dos povos.
10Todos responderão e dirão a você:
“Você também perdeu as forças como nós,
e tornou-se como um de nós”.
11Sua soberba foi lançada na sepultura,
junto com o som das suas liras;
sua cama é de larvas,
sua coberta, de vermes.
12Como você caiu dos céus,
ó estrela da manhã, filho da alvorada!
Como foi atirado à terra,
você, que derrubava as nações!
13Você, que dizia no seu coração:
“Subirei aos céus;
erguerei o meu trono
acima das estrelas de Deus;
eu me assentarei no monte da assembleia,
no ponto mais elevado do monte santo#14.13 Ou alto do norte. Hebraico: zafon..
14Subirei mais alto
que as mais altas nuvens;
serei como o Altíssimo”.
15Mas às profundezas do Sheol
você será levado,
irá ao fundo do abismo!
16Os que olham para você
admiram-se da sua situação,
e a seu respeito ponderam:
“É esse o homem que fazia tremer a terra,
abalava os reinos,
17fez do mundo um deserto,
conquistou cidades
e não deixou que os seus prisioneiros
voltassem para casa?”
18Todos os reis das nações
jazem honrosamente,
cada um em seu próprio túmulo.
19Mas você é atirado fora do seu túmulo,
como um galho rejeitado;
como as roupas dos mortos
que foram feridos à espada;
como os que descem às pedras da cova;
como um cadáver pisoteado,
20você não se unirá a eles
num sepultamento,
pois destruiu a sua própria terra
e matou o seu próprio povo.
Nunca se mencione
a descendência dos malfeitores!
21Preparem um local para matar
os filhos dele
por causa da iniquidade
dos seus antepassados;
para que eles não se levantem
para herdar a terra
e cobri-la de cidades.
22“Eu me levantarei contra eles”,
diz o Senhor dos Exércitos.
“Eliminarei da Babilônia o seu nome
e os seus sobreviventes,
sua prole e os seus descendentes”,
diz o Senhor.
23“Farei dela um lugar para corujas
e uma terra pantanosa;
vou varrê-la com a vassoura da destruição”,
diz o Senhor dos Exércitos.
Profecia contra a Assíria
24O Senhor dos Exércitos jurou:
“Certamente, como planejei,
assim acontecerá,
e, como pensei, assim será.
25Esmagarei a Assíria na minha terra;
nos meus montes a pisotearei.
O seu jugo será tirado do meu povo,
e o seu fardo, dos ombros dele”.
26Esse é o plano estabelecido
para toda a terra;
essa é a mão estendida
sobre todas as nações.
27Pois esse é o propósito
do Senhor dos Exércitos;
quem pode impedi-lo?
Sua mão está estendida;
quem pode fazê-la recuar?
Profecia contra os Filisteus
28Esta advertência veio no ano em que o rei Acaz morreu:
29Vocês, filisteus, todos vocês,
não se alegrem
porque a vara que os feria está quebrada!
Da raiz da cobra brotará uma víbora,
e o seu fruto será uma serpente veloz.
30O mais pobre dos pobres
achará pastagem,
e os necessitados descansarão
em segurança.
Mas eu matarei de fome
a raiz de vocês,
e ela matará os seus sobreviventes.
31Lamente, ó porta! Clame, ó cidade!
Derretam-se todos vocês, filisteus!
Do norte vem um exército,
e ninguém desertou de suas fileiras.
32Que resposta se dará
aos emissários daquela nação?
Esta: “O Senhor estabeleceu Sião,
e nela encontrarão refúgio
os aflitos do seu povo”.