14
A morte de João Batista
1Naquele tempo, o tetrarca Herodes soube da fama de Jesus 2e disse aos seus familiares: Este é João Batista; ele ressuscitou dos mortos, e por isso nele operam virtudes sobrenaturais. 3Pois Herodes havia mandado prender a João, atá-lo e pô-lo no cárcere, por causa de Herodias, mulher de seu irmão Filipe; 4porque João lhe havia dito: Não te é lícito tê-la por esposa. 5Herodes, embora quisesse matá-lo, temia ao povo, porque este o tinha como profeta. 6Chegado, porém, o dia natalício de Herodes, a filha de Herodias dançou diante de todos e agradou a Herodes, 7pelo que este prometeu, sob juramento, dar-lhe o que ela pedisse. 8Ela, instigada por sua mãe, disse: Dá-me, num prato, a cabeça de João Batista. 9O rei, embora entristecido, contudo, por causa dos seus juramentos e também dos convivas, mandou dar-lha 10e ordenou que degolassem a João no cárcere. 11Foi trazida a sua cabeça num prato, e dada à moça; e ela a levou à sua mãe. 12Vieram os discípulos de João, levaram o corpo e sepultaram-no; e foram dar a notícia a Jesus.
A primeira multiplicação dos pães
13Jesus, ouvindo isso, retirou-se dali numa barca para um lugar deserto, à parte; quando as multidões o souberam, seguiram-no das cidades por terra. 14Ele, ao desembarcar, viu uma grande multidão, compadeceu-se dela e curou os seus enfermos. 15À tarde, aproximaram-se dele os discípulos, dizendo: Este lugar é deserto, e a hora é já passada; despede, pois, as multidões, para que, indo às aldeias, comprem alguma coisa para comer. 16Mas Jesus lhes disse: Não precisam ir; dai-lhes vós de comer. 17Replicaram-lhe: Não temos aqui senão cinco pães e dois peixes. 18Disse-lhes ele: Trazei-mos cá. 19Tendo mandado à multidão que se assentasse sobre a relva, tomou os cinco pães e os dois peixes e, erguendo os olhos ao céu, deu graças e, partindo os pães, entregou-os aos discípulos, e os discípulos entregaram-nos à multidão. 20Todos comeram e se fartaram; e do que sobejou levantaram doze cestos cheios de pedaços. 21Ora, os que comeram foram cerca de cinco mil homens, além de mulheres e crianças.
Jesus anda sobre o mar
22Em seguida, obrigou os discípulos a embarcar e passar primeiro do que ele para o outro lado, enquanto ele despedia o povo. 23Depois de despedi-lo, subiu só ao monte para orar. À tardinha, achava-se ali só. 24Entretanto, a barca já estava a muitos estádios da terra, açoitada pelas ondas; porque o vento era contrário. 25À quarta vigília da noite, foi Jesus ter com eles, andando sobre o mar. 26Os discípulos, vendo-o andar sobre o mar, perturbaram-se e exclamaram: É um fantasma! E, de medo, gritaram. 27Mas Jesus imediatamente lhes falou: Tende ânimo, sou eu; não temais. 28Disse Pedro: Se és tu, Senhor, ordena que eu vá por cima das águas até onde estás. 29Ele disse: Vem! E Pedro, saindo da barca, andou sobre as águas e foi para Jesus. 30Quando, porém, sentiu o vento, teve medo e, começando a submergir-se, gritou: Salva-me, Senhor! 31No mesmo instante, Jesus, estendendo a mão, segurou-o e disse-lhe: Por que duvidaste, homem de pouca fé? 32Entrando ambos na barca, cessou o vento. 33Os que estavam na barca, adoraram-no, dizendo: Verdadeiramente és Filho de Deus.
Jesus em Genesaré
34Tendo passado para o outro lado, desembarcaram em Genesaré. 35Os homens daquele lugar, conhecendo-o, enviaram mensageiros a toda a circunvizinhança e trouxeram-lhe todos os que se achavam doentes; 36e lhe rogavam que os deixasse tocar somente na fímbria da sua capa. Os que nela tocaram ficaram sãos.
Loading reference in secondary version...

1917, 2010 Sociedade Bíblica do Brasil. Todos os direitos reservados.