4
A tentação de Jesus
1Cheio do Espírito Santo, voltou Jesus do Jordão e foi guiado pelo Espírito, no deserto, 2durante quarenta dias, sendo tentado pelo Diabo. Nada comeu nesses dias; mas, passados eles, teve fome. 3Então, lhe disse o Diabo: Se és Filho de Deus, manda que esta pedra se torne em pão. 4Respondeu-lhe Jesus: Está escrito que não só de pão viverá o homem. 5Levando-o a uma altura, mostrou-lhe, num relance, todos os reinos do mundo. 6Disse-lhe o Diabo: Dar-te-ei toda esta autoridade e a glória destes reinos, porque ela me tem sido entregue, e a dou a quem eu quiser; 7se tu, pois, me adorares, tudo será teu. 8Respondeu-lhe Jesus: Está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele darás culto. 9Então o levou a Jerusalém, o colocou sobre o pináculo do templo e lhe disse: Se és Filho de Deus, lança-te daqui abaixo; 10porque está escrito:
Aos seus anjos ordenará a teu respeito para te guardarem,
11e:
Eles te susterão nas suas mãos,
Para não tropeçares em alguma pedra.
12Respondeu-lhe Jesus: Dito está que não tentarás o Senhor teu Deus.
13Tendo o Diabo acabado toda a sorte de tentação, apartou-se dele até ocasião oportuna.
Jesus volta para a Galileia, e principia a sua missão
14Regressou Jesus para a Galileia no poder do Espírito, e a sua fama correu por toda a circunvizinhança. 15Ele ensinava nas sinagogas, sendo glorificado por todos.
Jesus prega na sinagoga de Nazaré
16Indo a Nazaré, onde se criara, ao sábado entrou na sinagoga segundo o seu costume, e levantou-se para ler. 17Foi-lhe entregue o livro do profeta Isaías e, abrindo-o, achou o lugar em que estava escrito:
18O Espírito do Senhor está sobre mim,
Pelo que me ungiu para anunciar boas novas aos pobres;
Enviou-me para proclamar libertação aos cativos,
E restauração da vista aos cegos,
Para pôr em liberdade os oprimidos,
19E proclamar o ano aceitável do Senhor.
20Tendo fechado o livro, o entregou ao assistente e sentou-se; e todos na sinagoga tinham os olhos fixos nele. 21Então começou Jesus a dizer-lhes: Hoje se cumpriu esta Escritura nos vossos ouvidos. 22Todos lhe davam testemunho e se maravilhavam das palavras cheias de graça que saíam da sua boca, e perguntavam: Não é este o filho de José? 23Disse-lhes Jesus: Sem dúvida citar-me-eis este provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo; tudo o que soubemos que fizeste em Cafarnaum, faze-o também aqui na tua terra. 24Prosseguiu: Em verdade vos afirmo que nenhum profeta é aceito na sua terra. 25Porém, com certeza, vos digo que muitas viúvas havia em Israel nos dias de Elias, quando se fechou o céu por três anos e seis meses, de modo que houve uma grande fome em toda a terra; 26e a nenhuma delas foi Elias enviado, senão a uma viúva de Sarepta de Sidom. 27Havia também muitos leprosos em Israel no tempo do profeta Eliseu, e nenhum deles ficou limpo, senão Naamã, o siro. 28Todos na sinagoga se encheram de ira, ao ouvir essas coisas; 29e, levantando-se, expulsaram-no da cidade e o levaram até o cume do monte sobre o qual estava edificada a cidade, para o precipitarem. 30Mas Jesus, passando por meio deles, seguiu o seu caminho.
A cura de um endemoninhado em Cafarnaum
31Desceu a Cafarnaum, cidade da Galileia. Ele os ensinava no sábado. 32E admiravam-se da sua doutrina, porque a sua palavra era com autoridade. 33Estava na sinagoga um homem possesso do espírito de um demônio imundo, e bradou em alta voz: 34Deixa-nos! Que temos nós contigo, Jesus, Nazareno? Vieste a perder-nos? Bem sei quem és; és o Santo de Deus. 35Jesus repreendeu-o, dizendo: Cala-te e sai deste homem. O demônio, depois de o ter lançado por terra no meio de todos, saiu dele sem tê-lo ofendido. 36Todos ficaram admirados e perguntavam uns aos outros: Que palavra é esta, pois, com autoridade e poder, ordena aos espíritos imundos, e eles saem? 37E por todos os lugares da circunvizinhança divulgava-se a sua fama.
A cura da sogra de Pedro
38Tendo saído da sinagoga, entrou na casa de Simão. A sogra deste estava com uma febre violenta, e pediram-lhe a favor dela. 39Ele, inclinando-se para ela, repreendeu a febre; a febre a deixou, e logo se levantou e os servia.
Muitos outros curados
40Ao pôr do sol, todos os que tinham enfermos de várias moléstias lhos trouxeram; e ele, pondo as mãos sobre cada um deles, os curou. 41Também de muitos saíram os demônios, gritando: Tu és o Filho de Deus. Ele, repreendendo-os, não lhes permitiu que falassem, porque sabiam que ele era o Cristo.
Jesus vai a um lugar deserto
42Sendo já dia, saiu e foi a um lugar deserto; as multidões procuravam-no e, encontrando-o, queriam detê-lo, para que não as deixasse. 43Mas ele lhes disse: É necessário que eu anuncie o evangelho do reino de Deus também às outras cidades, pois para isso é que fui enviado.
Jesus prega na Judeia
44E pregava nas sinagogas da Judeia.
Loading reference in secondary version...

1917, 2010 Sociedade Bíblica do Brasil. Todos os direitos reservados.