30
1Vendo Raquel que não dava filhos a Jacó, teve inveja da sua irmã e disse a Jacó: Dá-me filhos, ou senão morro. 2Então, se acendeu a ira de Jacó contra Raquel e perguntou: Acaso estou eu em lugar de Deus, que te há negado o fruto do ventre? 3Respondeu ela: Eis a minha serva Bila, recebe-a por mulher; para que ela dê à luz sobre os meus joelhos, e eu também seja dela edificada. 4Assim, lhe deu a Bila, sua serva, por mulher, e Jacó esteve com ela. 5Concebeu Bila e deu à luz um filho a Jacó. 6Então, disse Raquel: Julgou-me Deus, e também ouviu a minha voz, e deu-me um filho; portanto, lhe chamou Dã. 7Concebeu outra vez Bila, serva de Raquel, e deu à luz um segundo filho a Jacó. 8Disse Raquel: Com grandes lutas tenho lutado com minha irmã e tenho prevalecido; e chamou-lhe Naftali.
9Vendo Lia que ela tinha cessado de ter filhos, tomou a Zilpa, sua serva, e deu-a a Jacó por mulher. 10Zilpa, serva de Lia, deu a Jacó um filho. 11Disse Lia: Afortunada! E chamou-lhe Gade. 12Depois, Zilpa, serva de Lia, deu a Jacó um segundo filho. 13Então, disse Lia: Feliz sou eu! Pois as filhas me chamarão feliz; e chamou-lhe Aser.
14Foi Rúben nos dias da ceifa do trigo, e achou mandrágoras no campo, e trouxe-as a Lia, sua mãe. Então, disse Raquel a Lia: Dá-me das mandrágoras de teu filho. 15Respondeu-lhe Lia: Porventura, é pouca coisa teres-me tirado meu marido? Queres tirar também as mandrágoras de meu filho? Prosseguiu Raquel: Portanto, ele se deitará contigo esta noite pelas mandrágoras de teu filho. 16Vindo Jacó do campo, à tarde, saiu-lhe Lia ao encontro e disse: Hás de dormir comigo, porque, certamente, te aluguei pelas mandrágoras de meu filho. E com ela deitou-se Jacó aquela noite. 17Ouviu Deus a Lia, e ela concebeu e deu a Jacó um quinto filho. 18Então, disse Lia: Deus deu-me o meu pago, porque dei a minha serva a meu marido; e chamou-lhe Issacar. 19Concebendo Lia outra vez, deu a Jacó um sexto filho. 20E disse: Deus tem-me dado um bom dote; desta vez morará comigo meu marido, porque lhe tenho dado seis filhos; e chamou-lhe Zebulom. 21Depois disto, deu à luz uma filha e chamou-lhe Diná. 22Lembrou-se Deus de Raquel, ouviu-a e fê-la fecunda. 23Ela concebeu, deu à luz um filho e disse: Tirou-me Deus o opróbrio; 24e chamou-lhe José, dizendo: Dê-me Jeová ainda outro filho.
Labão faz um novo pacto com Jacó
25Tendo Raquel dado à luz a José, disse Jacó a Labão: Despede-me para que eu vá ao meu lugar e à minha terra. 26Dá-me minhas mulheres e meus filhos, pelos quais te hei servido, e deixa-me ir; pois tu sabes o meu serviço com que te hei servido. 27Respondeu-lhe Labão: Se tenho achado graça aos teus olhos, fica comigo; pois tenho alcançado, por experiência, que Deus me abençoou por amor de ti. 28Prosseguiu: Determina-me o teu salário, que to darei. 29Respondeu-lhe Jacó: Tu sabes como te hei servido, e como tem passado o teu gado comigo. 30Porque era pouca coisa que tinhas antes da minha vinda, e tem-se multiplicado em multidão; Jeová te há abençoado por onde quer que eu fui. Agora, pois, quando farei eu provisão também para minha casa? 31Perguntou-lhe Labão: Que te darei? Respondeu-lhe Jacó: Não me darás nada; se me fizeres isto, tornarei a apascentar o teu rebanho e guardá-lo. 32Passarei hoje por todo o teu rebanho, separando dele os salpicados e malhados, e todos os que são negros entre as ovelhas, e todos os malhados e salpicados entre as cabras; e isso será o meu salário. 33Assim, responderá por mim a minha justiça, no dia de amanhã, quando vieres ver o meu salário, que está diante de ti; todo o que não for salpicado e malhado entre as cabras e negro entre as ovelhas, esse, se for achado comigo, será tido por furtado. 34Disse Labão: Oxalá que seja conforme a tua palavra. 35Ele separou, naquele mesmo dia, os bodes listrados e malhados, e todas as cabras salpicadas e malhadas, e todos que tinham algum branco, e todos os negros entre as ovelhas e os entregou às mãos de seus filhos; 36pôs o espaço de três dias de jornada entre si e Jacó, e Jacó apascentava o restante dos rebanhos de Labão.
Como Jacó enganou a Labão
37Jacó tomou umas varas verdes de álamo, de aveleira e de plátano; e, descascando-as em riscas brancas, fez aparecer o branco que nelas havia. 38As varas que descascara pôs em frente dos rebanhos, no fundo dos tanques de água aonde vinham a beber, e conceberam quando vinham a beber. 39Os rebanhos concebiam diante das varas e pariam listrados, salpicados e malhados. 40Separou Jacó os cordeiros e fez os rebanhos olhar para os listrados e para os negros do rebanho de Labão; pôs o seu rebanho à parte e não o ajuntou ao rebanho de Labão. 41Todas as vezes que concebiam as ovelhas fortes, punha Jacó as varas diante dos olhos do rebanho, no fundo dos tanques, para que concebessem entre as varas; 42mas, quando o rebanho era fraco, não as punha: assim, as fracas eram de Labão, e as fortes, de Jacó. 43O homem aumentou sobremaneira as suas posses e teve grandes rebanhos, servos, servas, camelos e jumentos.
Loading reference in secondary version...

1917, 2010 Sociedade Bíblica do Brasil. Todos os direitos reservados.