Série Steps - Passo 05

Devocional

Oração – Disciplinas Espirituais


Deus estabeleceu princípios por sua própria vontade e decisão, princípios que, de alguma forma, trouxeram limitação a Ele mesmo. Deus não é limitado e não foi limitado por ninguém, mas, de alguma forma, Ele se restringiu a alguns princípios que Ele mesmo estabeleceu e não pode violar. Um deles é que Deus deu ao homem no início da criação, o poder de sujeitar a terra e dominar sobre ela. 


A vontade de Deus não se estabelece na Terra a menos que nós clamemos por isso. Nos céus não há restrição, ali toda a vontade de Deus se cumpre completamente. Deus não intervém na Terra a menos que o homem, estabelecido como autoridade na Terra, peça a Ele que entre em ação. Ele decidiu assim. Nós, como igreja, temos a responsabilidade de reinar em vida com Jesus e mudar muitos destinos, também devemos ser pessoas que se posicionam não somente para nossas necessidades.


Venha teu reino, Seja feito a sua vontade, Assim na terra como é no céu (Mateus 6:10).


Nós temos um chamado da parte de Deus e temos esta responsabilidade de estabelecer os céus na terra, e isso se faz por meio da oração, que é uma disciplina espiritual para nos impulsionar a viver, intencionalmente, o que a Bíblia nos desafia a experimentar. Se reuníssemos a vida cristã em um versículo, este seria Marcos 12:30-31:


Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes.


• Favor/Auxílio: Amor ao próximo – Piedade


• Oração: Amor a Deus – Devoção


• Jejum: Amor a si próprio - Disciplina


Disciplinas espirituais são práticas da vida Cristã, e sobre estas práticas é preciso ter equilíbrio. É um erro negligenciar as disciplinas, outro erro é cair no legalismo de fazer das mesmas leis ou passos para a salvação. É preciso entender que as disciplinas não devem ser praticadas para obtermos a salvação, mas sim porque já obtivemos pelo favor imerecido de Deus.


Outra questão, é que a prática destas disciplinas não nos dá o mérito da santidade. É Deus quem nos santifica, pois pelos nossos próprios esforços somos incapazes de alcançar um nível mais profundo de espiritualidade. É como numa plantação, onde o semeador não tem o poder de fazer uma semente germinar, mas ele a lança e confia na ação da natureza.


As disciplinas espirituais são como o lançar da semente. Nós as praticarmos e confiamos no agir de Deus em nossa própria vida. O texto de primeira Timóteo 4:7b tem tudo a ver com esta questão: “Exercita-te, pessoalmente, na piedade”. A piedade não é uma virtude, mas um estilo de vida que o homem, com seus próprios esforços, é incapaz de obter. No entanto, mesmo assim o texto traz a expressão “exercita-te”, a qual, vindo do contexto olímpico grego, referia-se ao ato de o atleta treinar, fisicamente, para as corridas olímpicas. Logo, a Bíblia está nos exortando a “suar a camisa” num esforço intencional, para termos uma vida piedosa. Parece contradição, mas não é. É sim lançar a semente e confiar na ação de Deus.