A Cruz e a Coroa

Devocional

O Precioso Sangue de Jesus


Quando foi a última vez que você ouviu um sermão ou cantou uma canção sobre o sangue de Jesus? Algumas igrejas hoje acham o termo antiquado ou mesmo exagerado. Canções que mencionam “o sangue” foram removidas dos hinários. No entanto, sem isso, não há esperança de um relacionamento com Deus, nenhuma garantia de salvação e nenhuma confiança de que nossas orações sejam ouvidas.


A Bíblia nunca evitou mencionar sobre o sangue. Na verdade, este termo é um elo comum de Gênesis a Apocalipse. Se você eliminar as referências ao sangue da Bíblia, tudo o que resta é um livro de história e literatura. Qualquer coisa que Deus considere importante, nunca deve ser desconsiderada. 


Levítico 17:11 nos diz que Deus deu sangue para propiciação da “vida da carne” que está nele. A palavra “propiciação”, como é usada no Antigo Testamento, significa “proteção”. Por meio do sistema sacrificial de adoração estabelecido pelo Senhor, os pecados da humanidade foram perdoados pelo sangue de animais inocentes.


A seriedade do pecado é revelada pelo esforço do sacrifício – a penalidade é a morte; e deve ser paga pelo culpado ou por um substituto aceitável. Para cobrir as transgressões, os animais oferecidos tinham que ser limpos e perfeitos. Cada sacrifício no altar era um cumprimento da pena de morte exigida pela lei de Deus.


O sistema sacrificial ensinou às pessoas que o Senhor é santo, que as transgressões devem ser punidas e que a propiciação pelo pecado ocorre somente através do derramamento de sangue. Esse acordo foi um presságio do que estava por vir. Porque os sacrifícios de animais podem somente cobrir o pecado, um "cordeiro supremo" foi necessário para remover toda a iniquidade do homem.


Um dia, quando João Batista estava junto ao rio Jordão, “o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” tornou-se parte da história humana (João 1:29). O perfeito sacrifício pelos pecados havia chegado. Ele foi “conhecido antes da fundação do mundo” e veio à Terra para cumprir o impressionante plano de redenção do Senhor ao derramar Seu precioso sangue (1 Pedro 1:18-20).


Jesus não era apenas um homem; Ele era o Filho de Deus vestido em carne humana. Seu nascimento foi sobrenatural porque ele foi concebido pelo Espírito Santo no ventre de uma virgem. Como nenhum pecado foi transferido para Ele através de um pai terreno, Jesus era o perfeito e imaculado Cordeiro de Deus – Sua vida foi a única perfeita e, portanto, o único sacrifício adequado para assumir a culpa de toda a humanidade.