Paralelo
41
Quem pode enfrentar o monstro Leviatã?
1“E, quanto ao monstro Leviatã , será que você pode pescá-lo com um anzol
ou amarrar a sua língua com uma corda?
2Você é capaz de passar uma corda pelo nariz dele
ou furar o seu queixo com um gancho?
3Será que ele vai pedir que você o solte
ou implorar que tenha dó dele?
4Será que ele vai fazer um trato com você,
prometendo trabalhar para você o resto da vida?
5Será que você vai brincar com ele, como se fosse um passarinho?
Você vai amarrá-lo, a fim de servir como um brinquedo para as suas empregadas?
6Será ele vendido por um grupo de pescadores?
Será que para isso o cortarão em pedaços?
7Será que você pode enterrar lanças no seu couro
ou fincar arpões de pesca na sua cabeça?
8Tente encostar a mão nele, e será uma vez só,
pois você nunca mais esquecerá a luta.
9Só de olhar para o monstro Leviatã
as pessoas perdem toda a coragem e desmaiam de medo.
10Se alguém o provoca, ele fica furioso.
Quem se arriscaria a desafiá-lo?
11Quem pode enfrentá-lo sem sair ferido?
Ninguém, no mundo inteiro.
12“Agora vou falar das pernas do Leviatã,
do seu tamanho e da sua força sem igual.
13Quem pode arrancar o couro que o cobre
ou furar a sua dupla couraça?
14Quem é capaz de fazê-lo abrir a sua queixada
rodeada de dentes terríveis?
15As suas costas são cobertas de fileiras de escamas
ligadas umas com as outras e duras como pedras.
16Estão coladas tão bem umas nas outras,
que nem o ar passa entre elas.
17Estão ligadas entre si e bem-coladas,
de modo que ninguém pode separá-las.
18Quando o Leviatã espirra, saem faíscas;
os seus olhos brilham como o sol ao amanhecer.
19A sua boca lança chamas,
e dela saltam faíscas de fogo.
20O seu nariz solta fumaça,
como a de galhos que queimam debaixo de uma panela.
21O seu sopro acende o fogo,
e da sua boca saem chamas.
22A sua força está no pescoço,
e a cara dele mete medo em todo mundo.
23No seu couro não existe ponto fraco;
ele é firme e duro como ferro.
24O seu coração cruel não tem medo;
é duro como uma pedra de moinho.
25Quando ele se levanta, até os mais fortes ficam apavorados;
o medo os impede de agir.
26Não há espada que consiga feri-lo,
nem lança, nem flecha, nem arpão.
27Para ele, o ferro é como palha,
e o bronze, como pau podre.
28As flechas não o fazem fugir.
Jogar pedras nele é como jogar capim.
29Bater nele com um porrete
é o mesmo que bater com uma torcida de palha;
ele zomba dos homens que lhe atiram lanças.
30A sua barriga é coberta de cacos pontudos,
que reviram a lama como se fossem uma grade de ferro.
31Ele agita o mar e o faz ficar como água que ferve na panela,
como o óleo fervendo no caldeirão.
32Ele vai deixando na água um rastro luminoso,
como se o mar tivesse uma cabeleira branca.
33Não há nada neste mundo que se compare com ele,
pois foi feito para não ter medo.
34O Leviatã olha para tudo com desprezo
e entre todas as feras orgulhosas ele é rei.”