Romanos: Teologia Para Todos

Devotional

Jesus é a pessoa mais importante que já viveu na história do mundo. A Bíblia é o documento mais importante na história do mundo. Então, quando foi perguntado a Jesus qual era a porção mais importante da Bíblia, a Sua resposta deve ter sido incrivelmente importante. Marcos 12:28-31 reporta que, certo dia, perguntaram a Jesus: “Qual é o principal de todos os mandamentos?”


Jesus respondeu: “O principal é: ‘Escute, ó Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor! Ame o Senhor, seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todo o seu entendimento e com toda a sua força’. O segundo é: ‘Ame o seu próximo como você ama a si mesmo’. Não há outro mandamento maior do que estes.”


Amar a Deus.


Amar pessoas.


De acordo com Jesus Cristo, quando estas duas coisas ocorrem nesta ordem, nossa vida com Deus e uns com os outros tende a se tornar ordenada pela graça de Deus, graças ao Espírito Santo. Talvez o apóstolo Paulo tivesse em mente as prioridades de Jesus quando se sentou para escrever sua obra-prima, já que a epístola aos Romanos está dividida em exatamente duas seções - uma sobre amar a Deus, outra sobre amar as pessoas. Em Romanos 1:17 Paulo nos deu uma pista de que este seria o seu esboço, onde disse que a justiça desce de Deus até nós em relacionamento, e flui afora através de nós em relacionamento com os outros, dizendo: “Porque a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: ‘O justo viverá por fé’”.


Romanos 1-11 é largamente focado na vertical, em sobre como podemos ter um relacionamento saudável e amoroso com Deus como cristãos. Romanos 12-16 é largamente focado na horizontal, em sobre como podemos ter um relacionamento saudável e amoroso uns com os outros, como igreja.


A transição do nosso relacionamento com Deus para o nosso relacionamento com os outros é denotada pela simples palavra “portanto” em 12:1.


Infelizmente, alguns teólogos têm tratado Romanos 12-16 como algo parecido com um adendo ou reflexão posterior, em vez de uma crucial e vital aplicação de tudo o que Paulo ensinou em Romanos 1-11. Isto frequentemente ocorre porque aqueles que são acadêmicos brilhantes (geralmente) não são as pessoas mais calorosas e relacionais. Isto não é uma crítica, mas uma avaliação honesta. Passar a vida tornando-se mestre em línguas antigas, sozinho em uma biblioteca, requer o tipo de personalidade que dificilmente seria votada como a “Mais Amigável” no ensino médio. Romanos 1-11 é uma teologia das mais densas e intensas em toda a Bíblia, o que explica por que interpretá-la estava no cerne da batalha de toda a Reforma Protestante. Portanto, entender corretamente as grandes verdades doutrinárias de Romanos 1-11 é absolutamente crítico para um correto entendimento do evangelho de Jesus Cristo e para um relacionamento saudável, amoroso, baseado na graça e no poder do Espírito, como Jesus, com Deus, o Pai. O que é igualmente importante, entretanto, é a aplicação destas doutrinas aos nossos relacionamentos uns com os outros na igreja. A vida no nosso mundo caído e pecaminoso é difícil, e a igreja tem uma oportunidade única de ser um lugar que doa vida e que alivia fardos como nenhum outro. Além disso, em nossa cultura, em que relacionamentos familiares são frequentemente fragmentados devido à dor ou à distância por causa de realocação, é mais vital do que nunca que a igreja seja um lugar em que há vida emocional e espiritual no Espírito, como família de Deus. De maneira simples, sã doutrina deveria levar a relacionamentos saudáveis e amorosos, porque uma pessoa não é verdadeiramente bíblica a menos que seja relacional.


Alguns cristãos são muito relacionais e práticos. Eles tendem a não ler ou estudar muito, porque estão ocupados com pessoas e projetos. Em contrapartida, outros cristãos são muito teológicos e conceituais. Eles tendem a ler e estudar um monte e não têm tanta energia e emoção por pessoas e projetos. Exatamente como a maioria das pessoas tem uma "mão dominante", assim também a maioria dos cristãos é forte com uma mão e fraca com a outra. O modelo de Paulo em sua carta aos Romanos é que Deus quer que aprendamos uns com os outros e busquemos ser fortes com ambas as mãos.


Um relacionamento saudável e amoroso com Deus, verticalmente, é a única esperança que temos para um relacionamento saudável e amoroso com os outros, horizontalmente, por duas razões: A primeira é que o nosso relacionamento com Deus nos dá um modelo para um relacionamento saudável, visto que Ele deseja que tratemos os outros como Ele nos trata. A segunda é que o nosso relacionamento com Deus nos dá recursos para relacionamentos saudáveis, já que coisas como graça, perdão e amor vêm de Deus, através do Espírito, para que compartilhemos com os outros.


Um teólogo expressa isso bem: “Romanos tem a reputação – bem merecida – de ser um dos livros mais teológicos da Bíblia. Infelizmente, esta reputação levou muitos cristãos, e até mesmo alguns comentaristas, a imaginar por que Paulo se preocupa com toda a coisa prática ao final da carta. Ele finalizou a seção da teologia ao final do capítulo 11. Por que dizer qualquer coisa a mais? Tal atitude produz um mal entendimento básico sobre teologia e a sua importância. Toda teologia é prática, e toda prática, se é verdadeiramente cristã, é teológica. O evangelho de Paulo é profundamente teológico, mas ele é, também, eminentemente prático. As boas novas de Jesus Cristo têm o propósito de transformar a vida de uma pessoa. Até que indivíduos cristãos possuam e vivam a teologia, o evangelho não atingiu o seu propósito”.


Para o cristão, a salvação é algo que apenas Deus faz. Esta é a ideia principal em Romanos 1-11. Nestes capítulos, o foco está no que crer como um cristão.


Frequentemente, os teólogos se referem ao que é tratado por Paulo em Romanos 12-16 como “mandamentos corporativos”, onde Deus convida o cristão a desenvolver a nova vida do Espírito. Nestes capítulos, o foco está em como se comportar como um cristão. A escolha que todo cristão deve fazer todos os dias é entre ser “conformado com este mundo”, que é viver segundo o inferno, ou ser “transformado” para Deus, que é viver segundo a sua cidadania celestial. De fato, o evangelho de Jesus Cristo é sobre levar-nos para o Céu, mas até que cheguemos lá, ele também é sobre Deus trazendo um pouco do Céu ao mundo através do Seu povo.




Perguntas:


1. Você acha que tem um relacionamento mais forte com Deus ou com as pessoas? Por que é importante ter os dois?


2. De que modo você pode amar a Deus em primeiro lugar? Como você pode amar os outros como a si mesmo?