Cristo > Corona

Devocional

Benção #7 – Ensinando-nos a Amar a Igreja



Você pode imaginar esse isolamento sem avanços modernos em tecnologia?



Nesta semana, assisti à transmissão ao vivo do culto de nossa igreja, com várias câmeras, músicos talentosos e uma mensagem centralizada em Cristo. Mais tarde, toquei na minha estação favorita da Amazon (Shane & Shane Hymns Live, FYI) e cantei para Jesus com minha esposa e filhos. Durante o dia, enviei uma mensagem para irmãos e irmãs em Cristo e compartilhei incentivos via Facebook e Instagram.



Tenho um pressentimento de que os cristãos que sofreram a peste negra não curtiram uma festa da Netflix com seus melhores amigos...



Ainda assim... eu não estou contente.



Porque sinto muita falta de estar na igreja. Cantar com minha esposa e filhas através de uma transmissão ao vivo é bom, mas nem de longe tão glorioso quanto juntar centenas de vozes reunidas no mesmo espaço. Tomar notas do sermão enquanto me sento no sofá é melhor do que nada, mas não é melhor do que sentar na igreja. 



Eu percebo, como você, que a igreja local é complicada. Alguns sermões são um caminho sinuoso de passagens desconectadas que não têm um ponto claro. Alguns músicos fazem barulho, mas não um barulho agradável. E as pessoas são... bem, pessoas. 



No entanto, o Coronavírus está me ensinando a amar minha igreja cristã. Mal posso esperar pelo dia em que as restrições forem retiradas e pudermos ocupar o mesmo local do GPS. Tenho um palpite de que a alegria abafará a bateria!



Três mil anos atrás, o culto semanal não era a norma. Não é de admirar que um escritor de Salmos daquela época tenha jorrado, “Fiquei alegre quando me disseram: 'Vamos à casa de Deus, o Senhor.'” (Salmos 122:1)  A transferência para a casa do Senhor em Jerusalém (o templo) reuniu milhares e milhares de famílias de Deus. Que diferença no cotidiano de uma pequena vila da Galileia!



A tecnologia fornece uma cobertura maravilhosa para o nosso bolo espiritual. Podcasts diários de sermão e rádio cristã me enchem de segunda a sábado. Mas nada pode ou irá substituir a reunião física do povo de Deus.



Se essa pandemia nos ensina a amar os domingos mais do que nunca, provará, mais uma vez, que Cristo > Corona.