MEDITAÇÕES SOBRE O EVANGELHO SEGUNDO LUCAS PARA A FAMÍLIA

Devocional
REFLEXÃO 7 "O sermão na planície":
Os versículos que precedem esta passagem são um breve resumo das atividades de Jesus depois que ele abandona o deserto, após sua tentação. Nesse período, Jesus cumpriu seu ministério, seguindo as orientações que havia anunciado na sinagoga de Nazaré. “...Para pregar boas novas aos pobres” e a “recuperação da vista dos cegos”: essas duas frases são símbolos de sua missão maior. Toda a seção do Evangelho anterior a este momento foi uma demonstração da missão libertadora do Servo, anunciada na leitura de Isaías. Ele curou os doentes, libertou os que estavam possuídos por maus espíritos e se opôs à compreensão negativa e opressora da Lei, contida na interpretação dos fariseus, dos mestres e escribas.
Este é o momento apropriado para saber a quem ele anuncia a chegada do reino de Deus. E só agora começamos a descobrir que esse reino requer uma mudança radical de mentalidade para seus seguidores e para os que desejam fazer parte dele no futuro. Lucas já havia oferecido um breve olhar sobre as consequências do nascimento do Messias: “Derrubou governantes dos seus tronos, mas exaltou os humildes. Encheu de coisas boas os famintos, mas despediu de mãos vazias os ricos” (1:52-53). Na tradição de Israel, os “abençoados”, considerados “felizes”, eram aqueles cuja retidão era recompensada com riquezas, terras, rebanhos, boa saúde e boa reputação. Por isso Jó não pode compreender o que aconteceu a ele, um homem justo. Agora, surge Jesus com uma mensagem que poucos são capazes de entender. Os preferidos no reino, aqueles aos quais ele é oferecido, são os pobres (ou, para ser preciso, os “destituídos”), os que sofrem com a fome, os fracos, rejeitados ou excluídos. O oposto ocorre com aqueles cuja abundância e autossatisfação os impede de receber os presentes de Deus. Na verdade, os ricos não precisam de dinheiro, os justos não precisam de perdão, os saudáveis não precisam de um médico.
O que Jesus quer dizer com sua mensagem? Será que pretende apenas subverter antigos valores? Em certa medida – já que entrar no reino implica fazer coisas que as pessoas comuns e até corretas não compreendem –, estaria ele falando sobre amar os próprios inimigos?! Isso mesmo! Embora não pareça lógico, é assim que Deus trata os pecadores. No final das contas, a piedade é essencial para entender um Deus misericordioso, que espera misericórdia também de seus filhos. Este é o significado mais profundo do anúncio das Boas Novas do reino de Deus.