Paralelo
10
Vou me desabafar
1“Estou cansado de viver.
Vou me desabafar
e falar da amargura que tenho no coração.
2Ó Deus, não me condenes!
Dize-me de que me acusas!
3Tu mesmo me criaste.
Como, então, podes ter prazer em me maltratar e desprezar
e em aprovar os planos dos maus?
4Por acaso, tens olhos, como nós?
Será que vês as coisas como nós vemos?
5Por acaso, a tua vida é tão curta como a nossa?
Será que vives tão pouco quanto os seres humanos?
6Então por que procuras saber de todos os meus pecados?
Por que te informas das maldades que cometi?
7Pois sabes que não sou culpado
e que ninguém pode me salvar das tuas mãos.
Vais me fazer virar pó
8“As tuas mãos me fizeram, me deram forma
e agora essas mesmas mãos me destroem.
9Lembra que me fizeste de barro;
vais me fazer virar pó outra vez?
10Tu fizeste com que o meu pai e a minha mãe me gerassem,
que me dessem a vida.
11Formaste o meu corpo de ossos e nervos
e os cobriste com carne e pele.
12Tu me deste vida e me deste amor,
e os teus cuidados me conservam vivo.
13Mas agora sei que no teu coração
tinhas este plano secreto:
14tu querias ver se eu ia pecar
para depois me negares o teu perdão.
15Se sou culpado, estou perdido;
se sou inocente, não tenho coragem para levantar a cabeça,
pois fico envergonhado quando olho para a minha desgraça.
16Se levanto a cabeça, orgulhoso da minha inocência,
tu, como um leão, me persegues;
e até fazes milagres para me destruir.
17Tu sempre tens testemunhas que me acusam;
a tua ira contra mim vai aumentando,
e tu me atacas sem parar,
como se fosses um exército.
Ó Deus, me deixa em paz!
18“Ó Deus, por que me deixaste nascer?
Eu deveria ter morrido antes mesmo que alguém me visse.
19Eu teria ido do ventre da minha mãe para a sepultura,
teria sido como se nunca tivesse existido.
20A minha vida está chegando ao fim.
Então me deixa em paz!
Deixa que eu tenha um pouco de alegria
21antes que me vá na viagem que não tem volta,
antes que vá para o país da escuridão e das trevas,
22para o país das sombras e da desordem,
onde a própria luz é como a escuridão.”