Paralelo
8
Jesus perdoa uma mulher apanhada em adultério
1[Depois todos foram para casa, mas Jesus foi para o monte das Oliveiras. 2De madrugada ele voltou ao pátio do Templo, e o povo se reuniu em volta dele. Jesus estava sentado, ensinando a todos. 3Aí alguns mestres da Lei e fariseus levaram a Jesus uma mulher que tinha sido apanhada em adultério e a obrigaram a ficar de pé no meio de todos. 4Eles disseram:
— Mestre, esta mulher foi apanhada no ato de adultério. 5De acordo com a Lei que Moisés nos deu, as mulheres adúlteras devem ser mortas a pedradas. Mas o senhor, o que é que diz sobre isso?
6Eles fizeram essa pergunta para conseguir uma prova contra Jesus, pois queriam acusá-lo. Mas ele se abaixou e começou a escrever no chão com o dedo. 7Como eles continuaram a fazer a mesma pergunta, Jesus endireitou o corpo e disse a eles:
— Quem de vocês estiver sem pecado, que seja o primeiro a atirar uma pedra nesta mulher!
8Depois abaixou-se outra vez e continuou a escrever no chão. 9Quando ouviram isso, todos foram embora, um por um, começando pelos mais velhos. Ficaram só Jesus e a mulher, e ela continuou ali, de pé. 10Então Jesus endireitou o corpo e disse:
— Mulher, onde estão eles? Não ficou ninguém para condenar você?
11— Ninguém, senhor! — respondeu ela.
Jesus disse:
— Pois eu também não condeno você. Vá e não peque mais!]
Jesus, a luz do mundo
12De novo Jesus começou a falar com eles e disse:
— Eu sou a luz do mundo; quem me segue nunca andará na escuridão, mas terá a luz da vida.
13Os fariseus disseram a Jesus:
— Agora você está falando a favor de você mesmo. Por isso o que você diz não tem valor.
14Jesus respondeu:
— Embora eu esteja falando a favor de mim mesmo, o que digo tem valor porque é a verdade. Pois eu sei de onde vim e para onde vou, mas vocês não sabem de onde vim, nem para onde vou. 15Vocês julgam de modo puramente humano; mas eu não julgo ninguém. 16E, se eu julgar, o meu julgamento é verdadeiro porque não julgo sozinho, pois o Pai, que me enviou, está comigo. 17Na Lei de vocês está escrito que, quando duas testemunhas concordam, o que dizem é verdade. 18Eu dou testemunho a respeito de mim mesmo, e o Pai, que me enviou, também dá testemunho a meu respeito.
19— Onde está o seu pai? — perguntaram.
Jesus respondeu:
— Vocês não me conhecem e também não conhecem o meu Pai. Se, de fato, me conhecessem, conheceriam também o meu Pai.
20Jesus disse essas coisas quando estava ensinando no pátio do Templo, perto da caixa das ofertas. Ninguém o prendeu porque ainda não tinha chegado a sua hora.
Quem é Jesus?
21Jesus disse outra vez:
— Eu vou embora, e vocês vão me procurar, porém morrerão sem o perdão dos seus pecados. Para onde eu vou vocês não podem ir.
22Os líderes judeus disseram:
— Ele diz que nós não podemos ir para onde ele vai! Será que ele vai se matar?
23Jesus continuou:
— Vocês são daqui debaixo, e eu sou lá de cima. Vocês são deste mundo, mas eu não sou deste mundo. 24Por isso eu disse que vocês vão morrer sem o perdão dos seus pecados. De fato, morrerão sem o perdão dos seus pecados se não crerem que “Eu Sou Quem Sou”.
25— Quem é você? — perguntaram a Jesus.
Ele respondeu:
— Desde o começo eu disse quem sou. 26Existem muitas coisas a respeito de vocês das quais eu preciso falar e as quais eu preciso julgar. Porém quem me enviou é verdadeiro, e eu digo ao mundo somente o que ele me disse.
27Eles não entenderam que ele estava falando a respeito do Pai. 28Por isso Jesus disse:
— Quando vocês levantarem o Filho do Homem, saberão que “Eu Sou Quem Sou”. E saberão também que não faço nada por minha conta, mas falo somente o que o meu Pai me ensinou. 29Quem me enviou está comigo e não me deixou sozinho, pois faço sempre o que lhe agrada.
30Quando Jesus disse isso, muitos creram nele.
Os escravos e os livres
31Então Jesus disse para os que creram nele:
— Se vocês continuarem a obedecer aos meus ensinamentos, serão, de fato, meus discípulos 32e conhecerão a verdade, e a verdade os libertará.
33Eles responderam:
— Nós somos descendentes de Abraão e nunca fomos escravos de ninguém. Como é que você diz que ficaremos livres?
34Jesus disse a eles:
— Eu afirmo a vocês que isto é verdade: quem peca é escravo do pecado. 35O escravo não fica sempre com a família, mas o filho sempre faz parte da família. 36Se o Filho os libertar, vocês serão, de fato, livres. 37Eu sei que vocês são descendentes de Abraão; porém estão tentando me matar porque não aceitam os meus ensinamentos. 38Eu falo das coisas que o meu Pai me mostrou, mas vocês fazem o que aprenderam com o pai de vocês.
39— O nosso pai é Abraão! — responderam eles.
Então Jesus disse:
— Se vocês fossem, de fato, filhos de Abraão, fariam o que ele fez. 40Mas eu lhes tenho dito a verdade que ouvi de Deus, e assim mesmo vocês estão tentando me matar. Abraão nunca fez uma coisa assim! 41Vocês estão fazendo o que o pai de vocês fez.
Eles responderam:
— Nós não somos filhos ilegítimos; nós temos um Pai, que é Deus!
42Jesus disse a eles:
— Se Deus fosse, de fato, o Pai de vocês, então vocês me amariam, pois eu vim de Deus e agora estou aqui. Eu não vim por minha própria conta, mas foi Deus que me enviou. 43Por que é que vocês não entendem o que eu digo? É porque não querem ouvir a minha mensagem. 44Vocês são filhos do Diabo e querem fazer o que o pai de vocês quer. Desde a criação do mundo ele foi assassino e nunca esteve do lado da verdade porque nele não existe verdade. Quando o Diabo mente, está apenas fazendo o que é o seu costume, pois é mentiroso e é o pai de todas as mentiras. 45Mas, porque eu digo a verdade, vocês não creem em mim. 46Qual de vocês pode provar que eu tenho algum pecado? Se digo a verdade, por que não creem em mim? 47A pessoa que é de Deus escuta as palavras de Deus. Vocês não escutam as palavras de Deus porque vocês não são dele.
Jesus e Abraão
48Eles disseram a Jesus:
— Por acaso não temos razão quando dizemos que você é samaritano e está dominado por um demônio?
49Jesus respondeu:
— Eu não estou dominado por nenhum demônio. Respeito o meu Pai, mas vocês me desrespeitam. 50Não procuro conseguir elogios para mim mesmo; mas existe alguém que procura consegui-los para mim, e ele é o Juiz. 51Eu afirmo a vocês que isto é verdade: quem obedecer aos meus ensinamentos não morrerá nunca.
52Então eles disseram:
— Agora temos a certeza de que você está dominado por um demônio! Abraão e todos os profetas morreram, mas você diz: “Quem obedecer aos meus ensinamentos não morrerá nunca.” 53Será que você é mais importante do que Abraão, o nosso pai, que morreu? E os profetas também morreram! Quem você pensa que é?
54Ele respondeu:
— Se eu elogiasse a mim mesmo, os meus elogios não valeriam nada. Quem me elogia é o meu Pai, o mesmo que vocês dizem que é o Deus de vocês. 55Vocês nunca conheceram a Deus, mas eu o conheço. Se eu disser que não o conheço, serei mentiroso como vocês; mas eu o conheço e obedeço ao que ele manda. 56Abraão, o pai de vocês, ficou alegre ao ver o tempo da minha vinda. Ele viu esse tempo e ficou feliz.
57— Você não tem nem cinquenta anos e viu Abraão? — perguntaram eles.
58 — Eu afirmo a vocês que isto é verdade: antes de Abraão nascer, “Eu Sou”! — respondeu Jesus.
59Então eles pegaram pedras para atirar em Jesus, mas ele se escondeu e saiu do pátio do Templo.