Paralelo
21
O nascimento de Isaque
1De acordo com a sua promessa, o Senhor Deus abençoou Sara. 2Ela ficou grávida e, na velhice de Abraão, lhe deu um filho. O menino nasceu no tempo que Deus havia marcado, 3e Abraão pôs nele o nome de Isaque. 4Quando Isaque tinha oito dias, Abraão o circuncidou, como Deus havia mandado. 5Quando Isaque nasceu, Abraão tinha cem anos. 6Então Sara disse:
— Deus me deu motivo para rir . E todos os que ouvirem essa história vão rir comigo.
7E disse também:
— Quem diria a Abraão que Sara daria de mamar? No entanto, apesar de ele estar velho, eu lhe dei um filho.
8O menino cresceu e foi desmamado. E, no dia em que o menino foi desmamado, Abraão deu uma grande festa.
Agar e Ismael são mandados embora
9Certo dia Ismael, o filho de Abraão e da egípcia Agar, estava brincando com Isaque, o filho de Sara. 10Quando Sara viu isso, disse a Abraão:
— Mande embora essa escrava e o filho dela, pois o filho dessa escrava não será herdeiro junto com Isaque, o meu filho.
11Abraão ficou muito preocupado com isso, pois Ismael também era seu filho. 12Mas Deus disse:
— Abraão, não se preocupe com o menino, nem com a sua escrava. Faça tudo o que Sara disser, pois você terá descendentes por meio de Isaque. 13O filho da escrava é seu filho também, e por isso farei com que os descendentes dele sejam uma grande nação.
14No dia seguinte Abraão se levantou de madrugada e deu para Agar comida e um odre cheio de água. Pôs o menino nos ombros dela e mandou que fosse embora. E Agar foi embora, andando sem direção pelo deserto de Berseba. 15Quando acabou a água do odre, ela deixou o menino debaixo de uma arvorezinha 16e foi sentar-se a uns cem metros dali. Ela estava pensando: “Não suporto ver o meu filho morrer.” Ela ficou ali sentada, e o menino começou a chorar.
17Deus ouviu o choro do menino; e, lá do céu, o Anjo de Deus chamou Agar e disse:
— Por que é que você está preocupada, Agar? Não tenha medo, pois Deus ouviu o choro do menino aí onde ele está. 18Vamos! Levante o menino e pegue-o pela mão. Eu farei dos seus descendentes uma grande nação.
19Então Deus abriu os olhos de Agar, e ela viu um poço. Ela foi, encheu o odre de água e deu para Ismael beber.
20Protegido por Deus, o menino cresceu. Ismael ficou morando no deserto de Parã e se tornou um bom atirador de flechas. 21E a sua mãe arranjou uma mulher egípcia para ele.
Abraão e Abimeleque
22Por esse tempo Abimeleque foi conversar com Abraão. Ficol, comandante do seu exército, foi com ele. Abimeleque disse a Abraão:
— Deus está com você em tudo o que você faz. 23Portanto, aqui neste lugar, jure por Deus que não vai enganar nem a mim, nem aos meus filhos, nem aos meus descendentes. Eu tenho sido sincero com você; por isso prometa que será sincero comigo e fiel a esta terra em que está morando.
24— Eu juro — disse Abraão.
25Abraão fez uma reclamação a Abimeleque por causa de um poço que os empregados de Abimeleque haviam tomado à força.
26Abimeleque explicou:
— Não sei quem fez isso. Você nunca me falou nada, e esta é a primeira vez que estou ouvindo falar desse assunto.
27Aí Abraão pegou algumas ovelhas e alguns bois e deu a Abimeleque, e os dois fizeram um trato. 28Abraão separou sete ovelhinhas do seu rebanho, 29e Abimeleque perguntou:
— Por que você separou estas sete ovelhinhas?
30Abraão respondeu:
— Elas são um presente para você. Ao receber estas sete ovelhinhas, você estará concordando que fui eu quem cavou este poço.
31Por isso aquele lugar ficou sendo chamado de Berseba , pois ali os dois fizeram um juramento.
32Depois de fazerem esse trato em Berseba, Abimeleque e Ficol voltaram para a Filisteia. 33Abraão plantou uma árvore em Berseba e ali adorou o Senhor, o Deus Eterno. 34E Abraão ficou morando muito tempo na Filisteia.