25
A parábola das dez virgens
1Então, o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do noivo. 2Cinco dentre elas eram néscias, e cinco, prudentes. 3As néscias, tomando as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo; 4mas as prudentes levaram azeite em suas vasilhas, juntamente com as lâmpadas. 5Tardando o noivo, toscanejaram todas e adormeceram. 6Mas, à meia-noite, ouviu-se um grito: Eis o noivo! Saí ao seu encontro! 7Então se levantaram todas aquelas virgens e prepararam as suas lâmpadas. 8Disseram as néscias às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas estão-se apagando. 9Porém as prudentes responderam: Talvez não haja bastante para nós e para vós; ide, antes, aos que o vendem e comprai-o para vós. 10Enquanto foram comprá-lo, veio o noivo; as que estavam apercebidas entraram com ele para as bodas, e fechou-se a porta. 11Depois, vieram as outras virgens e disseram: Senhor, senhor, abre-nos a porta! 12Mas ele respondeu: Em verdade vos digo que não vos conheço. 13Portanto, vigiai, porque não sabeis nem o dia nem a hora.
A parábola dos talentos
14Pois é assim como um homem que, partindo para outro país, chamou os seus servos e lhes entregou os seus bens: 15a um deu cinco talentos, a outro, dois e a outro, um, a cada qual segundo a sua capacidade; e seguiu viagem. 16O que recebera cinco talentos foi imediatamente, negociar com eles e ganhou outros cinco; 17do mesmo modo, o que recebera dois ganhou outros dois. 18Mas o que tinha recebido um só foi-se, e fez uma cova no chão, e escondeu o dinheiro do seu senhor. 19Depois de muito tempo, voltou o senhor daqueles servos e ajustou contas com eles. 20Chegando o que recebera cinco talentos, apresentou-lhe outros cinco, dizendo: Senhor, entregaste-me cinco talentos; aqui estão outros cinco que ganhei. 21Disse-lhe o seu senhor: Muito bem, servo bom e fiel, já que foste fiel no pouco, confiar-te-ei o muito; entra no gozo do teu senhor. 22Chegou também o que recebera dois talentos, e disse: Senhor, entregaste-me dois talentos; aqui estão outros dois que ganhei. 23Disse-lhe o seu senhor: Muito bem, servo bom e fiel; já que foste fiel no pouco, confiar-te-ei o muito; entra no gozo do teu senhor. 24Chegou, por fim, o que havia recebido um só talento, dizendo: Senhor, eu soube que és um homem severo, ceifas onde não semeaste e recolhes onde não joeiraste; 25e, atemorizado, fui esconder o teu talento na terra; aqui tens o que é teu. 26Porém o seu senhor respondeu: Servo mau e preguiçoso, sabias que ceifo onde não semeei e que recolho onde não joeirei? 27Devias, então, ter entregado o meu dinheiro aos banqueiros, e, vindo eu, teria recebido o que é meu com juros. 28Tirai-lhe, pois, o talento e dai-o ao que tem os dez talentos; 29porque a todo o que tem, dar-se-lhe-á e terá em abundância; mas ao que não tem, até o que tem, ser-lhe-á tirado. 30Ao servo inútil, porém, lançai-o nas trevas exteriores; ali haverá o choro e o ranger de dentes.
O juízo final
31Quando vier o Filho do Homem na sua glória, e todos os anjos com ele, então se assentará no trono de sua glória. 32Todas as nações serão reunidas diante dele, e separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos; 33porá as ovelhas à sua direita, mas os cabritos, à esquerda. 34Então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí como herança o reino que vos está destinado desde a fundação do mundo. 35Pois tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era forasteiro, e recolhestes-me; 36estava nu, e vestistes-me; enfermo, e visitastes-me; preso, e viestes ver-me. 37Então, perguntarão os justos: Senhor, quando te vimos faminto e te demos de comer? Ou com sede e te demos de beber? 38Quando te vimos forasteiro e te recolhemos? Ou nu e te vestimos? 39Quando te vimos enfermo ou preso e fomos visitar-te? 40O Rei responderá: Em verdade vos digo que, quantas vezes o fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim o fizestes. 41Dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, destinado ao Diabo e seus anjos. 42Pois tive fome, e não me destes de comer; tive sede e não me destes de beber; 43era forasteiro, e não me recolhestes; estava nu, e não me vestistes; enfermo e preso, e não me visitastes. 44Também eles perguntarão: Senhor, quando te vimos faminto, com sede, forasteiro, nu, enfermo ou preso e não te servimos? 45Então lhes responderá: Em verdade vos digo que, quantas vezes o deixastes de fazer a um destes mais pequeninos, a mim o deixastes de fazer. 46Irão estes para o suplício eterno, porém os justos, para a vida eterna.
Loading reference in secondary version...

1917, 2010 Sociedade Bíblica do Brasil. Todos os direitos reservados.