5
Ananias e Safira
1Mas um homem chamado Ananias, com sua mulher Safira, vendeu uma propriedade 2e reteve parte do preço, sabendo-o também sua mulher; e, levando uma parte, depositou-a aos pés dos apóstolos. 3Pedro disse-lhe: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo e retivesses parte do preço do terreno? 4Porventura, se não o vendesses, não seria ele teu; e, vendido, não estava o preço no teu poder? Como formaste esse desígnio no teu coração? Não mentiste aos homens, mas a Deus. 5Ananias, ao ouvir essas palavras, caiu e expirou; e sobreveio grande temor a todos os ouvintes. 6Levantando-se os moços, amortalharam-no e, levando-o para fora, sepultaram-no.
7Depois de um intervalo de cerca de três horas, entrou sua mulher, não sabendo o que tinha sucedido. 8Pedro perguntou-lhe: Dize-me se vendestes por tanto o terreno? Ela respondeu: Sim; por tanto. 9Mas Pedro disse-lhe: Por que é que vós combinastes provar o Espírito do Senhor? Eis à porta os pés dos que sepultaram teu marido, e eles te levarão a ti para fora. 10Imediatamente, caiu aos pés dele e expirou. Entrando os mancebos, acharam-na morta e, levando-a para fora, sepultaram-na junto a seu marido. 11Sobreveio grande temor a toda a igreja e a todos os que ouviram essas coisas.
Os apóstolos fazem muitos milagres
12Faziam-se muitos milagres e prodígios entre o povo pelas mãos dos apóstolos. Todos estavam de comum acordo no Pórtico de Salomão; 13dos outros, porém, nenhum ousava ajuntar-se a eles, mas o povo os engrandecia. 14Cada vez mais se agregavam crentes ao Senhor, homens e mulheres em grande número, 15a ponto de levarem os enfermos até pelas ruas e os porem em leitos e enxergões, para que, ao passar Pedro, ao menos a sua sombra cobrisse algum deles. 16Também das cidades circunvizinhas de Jerusalém afluía uma multidão, trazendo enfermos e atormentados de espíritos imundos, os quais eram todos curados.
Os apóstolos presos
17Levantando-se, porém, o sumo sacerdote e todos os que estavam com ele (que eram da seita dos saduceus), encheram-se de inveja, 18prenderam os apóstolos e os recolheram à prisão pública. 19Mas um anjo do Senhor abriu de noite as portas do cárcere e, conduzindo-os para fora, disse-lhes: 20Ide e, no templo, postos em pé, falai ao povo todas as palavras desta vida. 21Tendo ouvido isso, entraram, ao amanhecer, no templo e ensinavam. Mas, comparecendo o sumo sacerdote e os que estavam com ele, convocaram o Sinédrio e todo o senado dos filhos de Israel e enviaram os oficiais ao cárcere para trazê-los. 22Mas os oficiais que lá foram não os acharam no cárcere; e, tendo voltado, relataram: 23Achamos o cárcere fechado com toda a segurança e os guardas às portas, mas, abrindo-as, a ninguém achamos dentro. 24Quando o capitão do templo e os principais sacerdotes ouviram essas palavras, ficaram perplexos a respeito deles e do que viria a ser isso. 25Chegou alguém e anunciou-lhes: Eis que os homens que metestes no cárcere estão no templo, postos em pé, e ensinando o povo. 26Nisso, foi o capitão com os oficiais e os trouxe sem violência, porque eles temiam ser apedrejados pelo povo. 27Tendo-os trazido, os apresentaram no Sinédrio. O sumo sacerdote interrogou-os, 28dizendo: Expressamente vos admoestamos que não ensinásseis nesse nome, e eis que tendes enchido Jerusalém com o vosso ensino e quereis trazer sobre nós o sangue desse homem. 29Mas Pedro e os apóstolos responderam: Importa antes obedecer a Deus que aos homens. 30O Deus de nossos pais ressuscitou a Jesus, que vós matastes, pendurando-o num madeiro; 31a este elevou Deus com a sua destra a Príncipe e Salvador, para dar arrependimento a Israel e remissão de pecados. 32Nós somos testemunhas dessas coisas, e bem assim o Espírito Santo, que Deus deu aos que lhe obedecem.
O parecer de Gamaliel
33Mas eles, quando ouviram isso, se enfureceram e queriam matá-los. 34Levantando-se, porém, no Sinédrio um fariseu chamado Gamaliel, doutor da lei, acatado por todo o povo, mandou retirar os apóstolos por um pouco 35e disse: Israelitas, atentai bem para o que ides fazer a estes homens. 36Pois faz já algum tempo que Teudas se levantou, dizendo ser alguma coisa, ao qual se ajuntaram uns quatrocentos homens; ele foi morto, e todos quantos lhe obedeciam foram dissolvidos e reduzidos a nada. 37Depois deste, levantou-se Judas, o galileu, nos dias do alistamento, e levou muitos consigo; este também pereceu, e todos quantos lhe obedeciam foram dispersos. 38Agora, vos digo: não vos metais com esses homens, mas deixai-os; porque, se este conselho ou esta obra for de homens, se desfará; 39mas, se é de Deus, não podereis desfazê-la, para que não sejais, porventura, achados até pelejando contra Deus. 40Concordaram com ele; e, tendo chamado os apóstolos, açoitaram-nos, e ordenaram-lhes que não falassem em o nome de Jesus, e soltaram-nos. 41Eles, pois, saíram do Sinédrio, regozijando-se por terem sido achados dignos de sofrer afrontas pelo nome de Jesus. 42E todos os dias, no templo e em casa, não cessavam de ensinar e pregar a Jesus, o Cristo.
Loading reference in secondary version...

1917, 2010 Sociedade Bíblica do Brasil. Todos os direitos reservados.