9
Jesus cura um paralítico
Marcos 2.1-12; Lucas 5.17-26
1Jesus entrou num barco, voltou para o lado oeste do lago e chegou à sua cidade. 2Então algumas pessoas trouxeram um paralítico deitado numa cama. Jesus viu que eles tinham fé e disse ao paralítico:
— Coragem, meu filho! Os seus pecados estão perdoados.
3Aí alguns mestres da Lei começaram a pensar:
— Este homem está blasfemando contra Deus.
4Porém Jesus sabia o que eles estavam pensando e disse:
— Por que é que vocês estão pensando essas coisas más? 5O que é mais fácil dizer ao paralítico: “Os seus pecados estão perdoados” ou “Levante-se e ande”? 6Pois vou mostrar a vocês que eu, o Filho do Homem, tenho poder na terra para perdoar pecados.
Então disse ao paralítico:
— Levante-se, pegue a sua cama e vá para casa.
7O homem se levantou e foi para casa. 8Quando o povo viu isso, ficou com medo e louvou a Deus por dar esse poder a seres humanos.
Jesus e Mateus
Marcos 2.13-17; Lucas 5.27-32
9Jesus saiu dali e, no caminho, viu um cobrador de impostos, chamado Mateus, sentado no lugar onde os impostos eram pagos. Jesus lhe disse:
— Venha comigo.
Mateus se levantou e foi com ele. 10Mais tarde, enquanto Jesus estava jantando na casa de Mateus, muitos cobradores de impostos e outras pessoas de má fama chegaram e sentaram-se à mesa com Jesus e os seus discípulos. 11Alguns fariseus viram isso e perguntaram aos discípulos:
— Por que é que o mestre de vocês come com os cobradores de impostos e com outras pessoas de má fama?
12Jesus ouviu a pergunta e respondeu:
— Os que têm saúde não precisam de médico, mas sim os doentes. 13Vão e procurem entender o que quer dizer este trecho das Escrituras Sagradas: “Eu quero que as pessoas sejam bondosas e não que me ofereçam sacrifícios de animais.” Porque eu vim para chamar os pecadores e não os bons.
Jesus e o jejum
Marcos 2.18-22; Lucas 5.33-39
14Então os discípulos de João Batista chegaram perto de Jesus e perguntaram:
— Por que é que nós e os fariseus jejuamos muitas vezes, mas os discípulos do senhor não jejuam?
15Jesus respondeu:
— Vocês acham que os convidados de um casamento podem estar tristes enquanto o noivo está com eles? Claro que não! Mas chegará o tempo em que o noivo será tirado do meio deles; então sim eles vão jejuar!
16— Ninguém usa um retalho de pano novo para remendar uma roupa velha; pois o remendo novo encolhe e rasga a roupa velha, aumentando o buraco. 17Ninguém põe vinho novo em odres velhos. Se alguém fizer isso, os odres rebentam, o vinho se perde, e os odres ficam estragados. Pelo contrário, o vinho novo é posto em odres novos, e assim não se perdem nem os odres nem o vinho.
Jesus cura uma mulher e uma menina
Marcos 5.21-43; Lucas 8.40-56
18Enquanto Jesus estava falando ao povo, um chefe religioso chegou perto dele, ajoelhou-se e disse:
— A minha filha morreu agora mesmo! Venha e ponha as mãos sobre ela para que viva de novo.
19Então Jesus foi com ele, e os seus discípulos também foram.
20Certa mulher, que fazia doze anos que estava com uma hemorragia, veio por trás de Jesus e tocou na barra da capa dele. 21Pois ela pensava assim: “Se eu apenas tocar na capa dele, ficarei curada.”
22Jesus virou, viu a mulher e disse:
— Coragem, minha filha! Você sarou porque teve fé.
E naquele momento a mulher ficou curada.
23Depois Jesus foi para a casa do chefe religioso. Quando viu os que tocavam música fúnebre e viu a multidão numa confusão geral, 24disse:
— Saiam todos daqui! A menina não morreu; ela está dormindo!
Então começaram a caçoar dele. 25Logo que a multidão saiu, Jesus entrou no quarto em que a menina estava, pegou-a pela mão, e ela se levantou. 26E a notícia a respeito disso se espalhou por toda aquela região.
Jesus cura dois cegos
27Jesus saiu daquele lugar, e no caminho dois cegos começaram a segui-lo, gritando:
— Filho de Davi, tenha pena de nós!
28Assim que Jesus entrou em casa, os cegos chegaram perto dele. Então ele perguntou:
— Vocês creem que eu posso curar vocês?
— Sim, senhor! Nós cremos! — responderam eles.
29Jesus tocou nos olhos deles e disse:
— Então que seja feito como vocês creem!
30E os olhos deles ficaram curados. Aí Jesus ordenou com severidade:
— Não contem isso a ninguém!
31Porém eles foram embora e espalharam as notícias a respeito de Jesus por toda aquela região.
A cura de um mudo
32Quando eles foram embora, algumas pessoas levaram a Jesus um homem que não podia falar porque estava dominado por um demônio. 33Logo que o demônio foi expulso, o homem começou a falar. Todos ficaram admirados e afirmavam:
— Nunca vimos em Israel uma coisa assim!
34Mas os fariseus diziam:
— O chefe dos demônios é quem dá a esse homem poder para expulsar demônios.
Jesus tem pena do povo
35Jesus andava visitando todas as cidades e povoados. Ele ensinava nas sinagogas, anunciava a boa notícia sobre o Reino e curava todo tipo de enfermidades e doenças graves das pessoas. 36Quando Jesus viu a multidão, ficou com muita pena daquela gente porque eles estavam aflitos e abandonados, como ovelhas sem pastor. 37Então disse aos discípulos:
— A colheita é grande mesmo, mas os trabalhadores são poucos. 38Peçam ao dono da plantação que mande mais trabalhadores para fazerem a colheita.
Loading reference in secondary version...

2000 Sociedade Bíblica do Brasil. Todos os direitos reservados.