2
Josué envia espiões a Jericó
1Do acampamento do vale das Acácias, Josué mandou secretamente dois espiões com a seguinte ordem:
— Examinem bem a terra, especialmente a cidade de Jericó.
Então eles foram, entraram na casa de uma prostituta chamada Raabe e se hospedaram ali. 2E chegou aos ouvidos do rei de Jericó a seguinte notícia:
— Alguns israelitas chegaram aqui de noite para espionar a terra.
3Então o rei mandou para Raabe o seguinte recado:
— Os homens que estão na sua casa vieram para espionar toda a terra! Traga esses dois para fora!
4Mas Raabe já os havia escondido. Ela respondeu aos mensageiros do rei:
— É verdade que alguns homens vieram à minha casa, mas eu não sabia de onde eram. 5Quando já estava escuro, e o portão da cidade ia ser fechado, eles saíram. Eu não sei para onde foram. Mas, se vocês forem depressa atrás deles, ainda poderão pegá-los.
6Acontece que Raabe tinha levado os espiões ao terraço e os havia escondido debaixo das varas de linho amontoadas ali.
7Os mensageiros do rei foram e, logo que saíram da cidade, o portão foi fechado. Eles procuraram os espiões até o lugar onde a estrada atravessa o rio Jordão.
8Antes que os espiões fossem dormir, Raabe subiu ao terraço e disse a eles:
9— Eu sei que o Senhor deu esta terra a vocês, os israelitas. Para dizer a verdade, todos nós estamos morrendo de medo. 10Soubemos que o Senhor secou o mar Vermelho diante de vocês quando saíram do Egito. Também ficamos sabendo como, a leste do rio Jordão, vocês mataram Seom e Ogue, os reis dos amorreus, e destruíram os seus exércitos. 11Quando ouvimos essas coisas, perdemos a coragem e todos nós ficamos com muito medo por causa de vocês. O Deus de vocês, o Senhor, é Deus lá em cima no céu e aqui em baixo na terra. 12Então agora jurem em nome do Senhor e prometam que vão ser bons para a minha família porque eu também tratei vocês com bondade. Para isso peço que me deem um sinal que não deixe dúvida. 13Salvem o meu pai, a minha mãe, os meus irmãos e as minhas irmãs e as famílias deles. Não deixem que nos matem.
14Os homens responderam:
— Nós prometemos. E, se não cumprirmos a nossa palavra, nós é que deveremos morrer, e não você! Se você não contar a ninguém o que estamos fazendo, fique certa de que cumpriremos a nossa promessa. Quando o Senhor nos der esta terra, seremos bons para você e mostraremos que somos homens de palavra.
15Raabe morava numa casa construída na muralha da cidade. Por isso ela pôde fazer os espiões descerem pela janela, usando uma corda. 16Ela disse:
— Vão para as montanhas. Se não, os homens que estão procurando vocês vão achá-los. Escondam-se lá três dias, até que eles voltem. Depois vocês podem ir embora.
17Os espiões disseram:
— Cumpriremos o juramento que você nos pediu que fizéssemos, mas com as seguintes condições: 18quando invadirmos a sua terra, amarre este cordão vermelho na janela de onde você nos fez descer. Junte, dentro da sua casa, o seu pai, a sua mãe, os seus irmãos e todos os parentes do seu pai. 19Se alguém sair da casa, será culpado da sua própria morte, e nós não seremos responsáveis. Mas, se alguém que estiver com você for ferido dentro de casa, a culpa será nossa. 20E, se você contar o que estamos fazendo, não seremos obrigados a cumprir o nosso juramento.
21Raabe respondeu:
— Eu concordo.
Então ela deixou que eles fossem embora. E Raabe amarrou o cordão vermelho na janela.
22Os espiões foram para as montanhas e se esconderam lá três dias enquanto os soldados do rei os procuravam por toda aquela região. Os soldados não acharam ninguém e voltaram para Jericó. 23Aí os dois espiões desceram da montanha, atravessaram o rio Jordão e foram se encontrar com Josué. Contaram tudo o que havia acontecido 24e terminaram assim:
— Estamos certos de que o Senhor nos deu toda esta terra. Todo mundo aqui está morrendo de medo de nós.
Loading reference in secondary version...

2000 Sociedade Bíblica do Brasil. Todos os direitos reservados.