4
Jesus e a mulher samaritana
1Os fariseus ouviram dizer que Jesus estava ganhando mais discípulos e batizava mais pessoas do que João. 2(De fato, não era Jesus quem batizava, e sim os seus discípulos.) 3Quando Jesus ficou sabendo disso, saiu da Judeia e voltou para a Galileia. 4No caminho, ele tinha de passar pela região da Samaria.
5Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou menos meio-dia quando Jesus, cansado da viagem, sentou-se perto do poço.
7Uma mulher samaritana veio tirar água, e Jesus lhe disse:
— Por favor, me dê um pouco de água.
8(Os discípulos de Jesus tinham ido até a cidade comprar comida.)
9A mulher respondeu:
— O senhor é judeu, e eu sou samaritana. Então como é que o senhor me pede água? (Ela disse isso porque os judeus não se dão com os samaritanos.)
10Então Jesus disse:
— Se você soubesse o que Deus pode dar e quem é que está lhe pedindo água, você pediria, e ele lhe daria a água da vida.
11Ela respondeu:
— O senhor não tem balde para tirar água, e o poço é fundo. Como é que vai conseguir essa água da vida? 12Nosso antepassado Jacó nos deu este poço. Ele, os seus filhos e os seus animais beberam água daqui. Será que o senhor é mais importante do que Jacó?
13Então Jesus disse:
— Quem beber desta água terá sede de novo, 14mas a pessoa que beber da água que eu lhe der nunca mais terá sede. Porque a água que eu lhe der se tornará nela uma fonte de água que dará vida eterna.
15Então a mulher pediu:
— Por favor, me dê dessa água! Assim eu nunca mais terei sede e não precisarei mais vir aqui buscar água.
16— Vá chamar o seu marido e volte aqui! — ordenou Jesus.
17— Eu não tenho marido! — respondeu a mulher.
Então Jesus disse:
— Você está certa ao dizer que não tem marido, 18pois já teve cinco, e este que você tem agora não é, de fato, seu marido. Sim, você falou a verdade.
19A mulher respondeu:
— Agora eu sei que o senhor é um profeta! 20Os nossos antepassados adoravam a Deus neste monte, mas vocês, judeus, dizem que Jerusalém é o lugar onde devemos adorá-lo.
21Jesus disse:
— Mulher, creia no que eu digo: chegará o tempo em que ninguém vai adorar a Deus nem neste monte nem em Jerusalém. 22Vocês, samaritanos, não sabem o que adoram, mas nós sabemos o que adoramos porque a salvação vem dos judeus. 23Mas virá o tempo, e, de fato, já chegou, em que os verdadeiros adoradores vão adorar o Pai em espírito e em verdade. Pois são esses que o Pai quer que o adorem. 24Deus é Espírito, e por isso os que o adoram devem adorá-lo em espírito e em verdade.
25A mulher respondeu:
— Eu sei que o Messias, chamado Cristo, tem de vir. E, quando ele vier, vai explicar tudo para nós.
26Então Jesus afirmou:
— Pois eu, que estou falando com você, sou o Messias.
27Naquele momento chegaram os seus discípulos e ficaram admirados, pois ele estava conversando com uma mulher. Mas nenhum deles perguntou à mulher o que ela queria. E também não perguntaram a Jesus por que motivo ele estava falando com ela.
28Em seguida, a mulher deixou ali o seu pote, voltou até a cidade e disse a todas as pessoas:
29— Venham ver o homem que disse tudo o que eu tenho feito. Será que ele é o Messias?
30Muitas pessoas saíram da cidade e foram para o lugar onde Jesus estava.
31Enquanto isso, os discípulos pediam a Jesus:
— Mestre, coma alguma coisa!
32Jesus respondeu:
— Eu tenho para comer uma comida que vocês não conhecem.
33Então os discípulos começaram a perguntar uns aos outros:
— Será que alguém já trouxe comida para ele?
34— A minha comida — disse Jesus — é fazer a vontade daquele que me enviou e terminar o trabalho que ele me deu para fazer. 35Vocês costumam dizer: “Daqui a quatro meses teremos a colheita.” Mas olhem e vejam bem os campos: o que foi plantado já está maduro e pronto para a colheita. 36Quem colhe recebe o seu salário, e o resultado do seu trabalho é a vida eterna para as pessoas. E assim tanto o que semeia como o que colhe se alegrarão juntos. 37Porque é verdade o que dizem: “Um semeia, e outro colhe.” 38Eu mandei vocês colherem onde não trabalharam; outros trabalharam ali, e vocês aproveitaram o trabalho deles.
39Muitos samaritanos daquela cidade creram em Jesus porque a mulher tinha dito: “Ele me disse tudo o que eu tenho feito.” 40Quando os samaritanos chegaram ao lugar onde Jesus estava, pediram a ele que ficasse com eles, e Jesus ficou ali dois dias.
41E muitos outros creram por causa da mensagem dele. 42Eles diziam à mulher:
— Agora não é mais por causa do que você disse que nós cremos, mas porque nós mesmos o ouvimos falar. E sabemos que ele é, de fato, o Salvador do mundo.
Jesus cura o filho de um funcionário público
43Depois de ficar dois dias ali, Jesus foi para a região da Galileia. 44Pois, como ele mesmo disse: “Um profeta não é respeitado na sua própria terra.” 45Quando chegou à Galileia, os moradores dali o receberam bem. É que eles tinham ido à Festa da Páscoa, em Jerusalém, e tinham visto tudo o que Jesus havia feito lá.
46Jesus voltou a Caná da Galileia, onde havia transformado água em vinho. Estava ali um alto funcionário público que morava em Cafarnaum. Ele tinha em casa um filho doente. 47Quando ouviu dizer que Jesus tinha vindo da Judeia para a Galileia, foi pedir a ele que fosse a Cafarnaum e curasse o seu filho, que estava morrendo. 48Jesus disse ao funcionário:
— Vocês só creem quando veem grandes milagres!
49Ele respondeu:
— Senhor, venha depressa, antes que o meu filho morra!
50— Volte para casa! O seu filho vai viver! — disse Jesus.
Ele creu nas palavras de Jesus e foi embora. 51No caminho encontrou-se com os seus empregados, que disseram:
— O seu filho está vivo!
52Então ele perguntou a que horas o filho havia começado a melhorar. Os empregados responderam:
— Ontem, à uma da tarde, a febre passou.
53Aí o pai lembrou que havia sido naquela mesma hora que Jesus tinha dito: “O seu filho vai viver.” Então ele e toda a família creram em Jesus.
54Esse foi o segundo milagre que Jesus fez depois de ter ido da Judeia para a Galileia.
Loading reference in secondary version...

2000 Sociedade Bíblica do Brasil. Todos os direitos reservados.