2
A fidelidade de Israel
1-2O Senhor Deus me mandou entregar a todos os moradores de Jerusalém a seguinte mensagem:
“Meu povo, eu lembro de quando você era jovem.
Como você era fiel
e como me amava quando éramos recém-casados!
Lembro como me seguiu pelo deserto,
por uma terra onde não havia plantações.
3Povo de Israel, você era só meu;
era sagrado como o trigo
que é colhido primeiro
e oferecido a mim.
Eu castiguei todos os que fizeram você sofrer
e fiz cair o mal sobre eles.
Eu, o Senhor, estou falando.”
O pecado dos antepassados dos israelitas
4Descendentes de Jacó e famílias do povo de Israel, escutem a mensagem de Deus, o Senhor. 5Ele diz:
“Que defeito os seus antepassados acharam em mim
para me abandonar?
Adoraram ídolos inúteis
e eles mesmos se tornaram inúteis.
6Eles me desprezaram;
no entanto, fui eu quem os tirou do Egito.
Eu os levei pelo deserto,
terra de montanhas e de precipícios;
terra seca e perigosa,
por onde ninguém viaja
e onde ninguém mora.
7Eu os trouxe para uma terra boa
a fim de que se alimentassem das suas colheitas
e do que ela tem de melhor.
Mas eles vieram
e mancharam a minha terra;
fizeram com que a terra que lhes dei virasse um lugar nojento.
8Os sacerdotes não perguntaram:
‘Onde está o Senhor?’
Os que lidam com a Lei não quiseram saber de mim.
Os governadores se revoltaram contra mim.
Os profetas falaram em nome do deus Baal
e adoraram ídolos
que não podem ajudar ninguém.”
A acusação de Deus contra o seu povo
9O Senhor Deus diz:
“Assim eu vou novamente fazer uma acusação contra o meu povo.
Vou apresentar a minha causa
contra vocês e os seus descendentes.
Sou eu, o Senhor, quem está falando.
10Vão até a ilha de Chipre, no Oeste, e vejam;
mandem alguém a Quedar, no Leste,
e prestem bastante atenção,
pois uma coisa como esta nunca aconteceu antes.
11Nenhuma outra nação trocou os seus deuses por outros
que nem eram deuses de verdade.
Mas o meu povo me trocou,
trocou a mim, o seu Deus glorioso,
por deuses que não podem ajudá-los.
12Por isso, eu, o Senhor,
vou mandar que o céu trema de horror
e que fique cheio de pavor e de espanto.
13O meu povo cometeu dois pecados:
Eles abandonaram a mim,
a fonte de água fresca,
e cavaram cisternas, cisternas rachadas
que deixam vazar a água da chuva.”
Os resultados da infidelidade do povo
14O Senhor Deus diz:
“O povo de Israel não é escravo,
nem nasceu escravo.
Então por que os seus inimigos o escravizam?
15Como se fossem leões,
eles têm dado urros contra Israel;
eles têm rugido com força.
Fizeram com que a terra de Israel virasse um deserto;
as suas cidades estão destruídas,
e ninguém mora nelas.
16Sim, os moradores de Mênfis e de Tafnes
raparam a cabeça de Israel.
17“Povo de Israel,
foi por sua própria culpa
que tudo isso aconteceu com você.
Você abandonou a mim, o Senhor, seu Deus,
quando eu o estava guiando pelo caminho.
18E, agora, o que é que você vai ganhar,
indo até o Egito
para beber água do rio Nilo?
O que você vai ganhar,
indo até a Assíria
para beber água do rio Eufrates?
19A sua própria maldade o castigará,
e você será condenado porque me abandonou.
Você vai aprender de uma vez como é ruim e amargo
abandonar a mim, o Senhor, seu Deus,
e deixar de me temer.
Eu, o Senhor, o Deus Todo-Poderoso, estou falando.”
O povo não quer adorar ao Senhor
20O Senhor Deus diz:
“Povo de Israel,
faz muito tempo que você rejeitou a minha autoridade.
Você não quis me obedecer, nem me adorar.
E, em todos os montes altos
e debaixo de todas as árvores sagradas,
você praticava imoralidade na adoração aos deuses.
21Eu o plantei como uma parreira escolhida,
uma muda da melhor qualidade.
Mas veja o que você é agora!
É uma parreira estragada,
que não presta mais.
22Mesmo que você se lavasse com muito sabão,
com sabão bem forte,
eu ainda poderia ver a mancha da sua culpa.
Sou eu, o Senhor, quem está falando.
23Como é que você pode dizer que não se manchou
e que nunca adorou o deus Baal?
Veja como você pecou no vale,
veja só o que fez.
Você é como uma camela nova no cio,
correndo solta por aí.
24É como uma jumenta selvagem do deserto, quando está no cio:
quem a pode impedir de satisfazer o seu desejo?
O macho que a quer não precisa procurá-la:
ela sempre pode ser encontrada
na época do cruzamento.
25Povo de Israel,
cuidado para que os seus pés não se machuquem
de tanto você andar atrás de outros deuses;
cuidado para que a sua garganta não fique seca.
Mas você diz: ‘Não! Não adianta!
Eu me apaixonei por deuses estrangeiros
e vou atrás deles.’ ”
O castigo do povo de Israel
26O Senhor Deus diz:
— Como o ladrão fica envergonhado quando é pego, assim o povo de Israel passará vergonha: todos vocês, os seus reis e príncipes, os seus sacerdotes e profetas. 27Passarão vergonha todos aqueles que dizem a um pedaço de madeira: “Você é o meu pai”, e a uma pedra: “Você é a minha mãe”. Isso vai acontecer porque vocês me viraram as costas, em vez de virarem o rosto para o meu lado. No entanto, quando estão em dificuldades, vocês vêm me pedir que os salve. 28Onde estão os deuses que vocês fizeram para vocês mesmos? Quando vocês estão em dificuldades, que eles os salvem, se é que podem. Judá, os seus deuses são tantos quantas as suas cidades. 29Eu, o Senhor, pergunto:
— Qual é a queixa que vocês têm de mim? Vocês todos se revoltaram contra mim. 30Eu os castiguei, porém isso não adiantou nada; vocês não quiseram aprender a lição. Como um leão furioso, vocês mataram os seus próprios profetas. 31Todos vocês, prestem muita atenção no que estou dizendo. Povo de Israel, será que eu tenho sido para vocês como um deserto, como uma terra perigosa? Então por que é que vocês dizem que vão fazer o que quiserem e que não voltarão mais para mim? 32Por acaso, uma jovem esquece as suas joias? Ou uma noiva esquece o seu véu? Mas o meu povo esqueceu de mim por tantos dias, que nem dá para contar. 33Vocês sabem muito bem como andar atrás dos amantes, e até as prostitutas podem aprender isso com vocês. 34As roupas de vocês estão manchadas com o sangue de pobres e inocentes que nunca assaltaram as suas casas.
— Mas, apesar de tudo isso, o meu povo diz: 35“Eu estou inocente. Certamente, o Senhor Deus não está mais irado comigo.” Mas eu, o Senhor, o castigarei porque você diz que não pecou. 36Por que você muda assim para pior, sem mais nem menos? Como você ficou desiludido com a Assíria, também ficará desiludido com o Egito. 37Você vai voltar também do Egito de cabeça baixa, envergonhado. Eu, o Senhor, rejeitei aqueles em quem você confia; você não vai ganhar nada ficando com eles.
Loading reference in secondary version...

2000 Sociedade Bíblica do Brasil. Todos os direitos reservados.