Parallel
28
O homem apropria-se das riquezas da terra
1Na verdade, a prata tem suas minas,
e o ouro, que se refina, o seu lugar.
2O ferro tira-se da terra,
e da pedra se funde o cobre.
3Os homens põem termo à escuridão
e até aos últimos confins procuram as pedras
ocultas nas trevas e na densa escuridade.
4Abrem entrada para minas longe da habitação dos homens,
esquecidos dos transeuntes;
e, assim, longe deles, dependurados, oscilam de um lado para outro.
5Da terra procede o pão,
mas embaixo é revolvida como por fogo.
6Nas suas pedras se encontra safira,
e há pó que contém ouro.
7Essa vereda, a ave de rapina a ignora,
e jamais a viram os olhos do falcão.
8Nunca a pisaram feras majestosas,
nem o leãozinho passou por ela.
9Estende o homem a mão contra o rochedo
e revolve os montes desde as suas raízes.
10Abre canais nas pedras,
e os seus olhos veem tudo o que há de mais precioso.
11Tapa os veios de água, e nem uma gota sai deles,
e traz à luz o que estava escondido.
A verdadeira sabedoria é dom de Deus
12Mas onde se achará a sabedoria?
E onde está o lugar do entendimento?
13O homem não conhece o valor dela,
nem se acha ela na terra dos viventes.
14O abismo diz: Ela não está em mim;
e o mar diz: Não está comigo.
15Não se dá por ela ouro fino,
nem se pesa prata em câmbio dela.
16O seu valor não se pode avaliar pelo ouro de Ofir,
nem pelo precioso ônix, nem pela safira.
17O ouro não se iguala a ela, nem o cristal;
ela não se trocará por joia de ouro fino;
18ela faz esquecer o coral e o cristal;
a aquisição da sabedoria é melhor que a das pérolas.
19Não se lhe igualará o topázio da Etiópia,
nem se pode avaliar por ouro puro.
20Donde, pois, vem a sabedoria,
e onde está o lugar do entendimento?
21Está encoberta aos olhos de todo vivente
e oculta às aves do céu.
22O abismo e a morte dizem:
Ouvimos com os nossos ouvidos a sua fama.
23Deus lhe entende o caminho,
e ele é quem sabe o seu lugar.
24Porque ele perscruta até as extremidades da terra,
vê tudo o que há debaixo dos céus.
25Quando regulou o peso do vento
e fixou a medida das águas;
26quando determinou leis para a chuva
e caminho para o relâmpago dos trovões,
27então, viu ele a sabedoria e a manifestou;
estabeleceu-a e também a esquadrinhou.
28E disse ao homem:
Eis que o temor do Senhor é a sabedoria,#Sl 111.10; Pv 9.10
e o apartar-se do mal é o entendimento.